Tag Archive | Oscar

Vencedores Oscar 2011

A lista completa dos vencedores do Oscar 2011:

Melhor filme:
– “A rede social”
– “O discurso do rei”
– “Cisne negro”
– “O vencedor”
– “A origem”
– “Toy Story 3”
– “Bravura indômita”
– “Minhas mães e meu pai”
– “127 horas”
– “Inverno da alma”

Melhor diretor:
– David Fincher – “A rede social”
– Tom Hooper – “O discurso do rei”
– Darren Aronofsky – “Cisne negro”
– Joel e Ethan Coen – “Bravura indômita”
– David O. Russell – “O vencedor”

Melhor ator:
– Jesse Eisenberg – “A rede social”
– Colin Firth – “O discurso do rei”
– James Franco – “127 horas”
– Jeff Bridges – “Bravura indômita”
– Javier Bardem – “Biutiful”

Melhor atriz:
– Annette Bening – “Minhas mães e meu pai”
– Natalie Portman – “Cisne negro”
– Nicole Kidman – “Reencontrando a Felicidade” [Rabbit hole]
– Michelle Williams – “Blue valentine”
– Jennifer Lawrence – “Inverno da alma”

Melhor ator coadjuvante:
– Mark Ruffalo – “Minhas mães e meu pai”
– Geoffrey Rush – “O discurso do rei”
– Christian Bale – “O vencedor”
– Jeremy Renner – “Atração perigosa”
– John Hawkes – “Inverno da alma”

Melhor atriz coadjuvante:
– Helena Bonham Carter – “O discurso do rei”
– Melissa Leo – “O vencedor”
– Amy Adams – “O vencedor”
– Hailee Steinfeld – “Bravura indômita”
– Jacki Weaver – “Reino animal”

Melhor roteiro original:
– “Cisne negro”
– “Minhas mães e meu pai”
– “O vencedor”
– “A origem”
– “O discurso do rei”

Melhor roteiro adaptado:
– “A rede social”
– “127 horas”
– “Bravura indômita”
– “Toy Story 3”
– “Inverno da alma”

Melhor longa-metragem de animação:
– “Como treinar o seu dragão”
– “O mágico”
– “Toy Story 3″

Melhor direção de arte:
– “Alice no País das Maravilhas”
– “Harry Potter e as relíquias da morte – Parte 1″
– “A origem”
– “O discurso do rei”
– “Bravura indômita”

Melhor fotografia
– “Cisne negro”
– “A origem”
– “O discurso do rei”
– “A rede social”
– “Bravura indômita”

Melhor figurino
– “Alice no País das Maravilhas”
– “I am love”
– “O discurso do rei”
– “Bravura indômita”
– “The tempest”

Melhor documentário (longa-metragem)
– “Exit through the gift shop”
– “Gasland”
– “Trabalho Interno”
– “Restrepo”
– “Lixo extraordinário

Melhor documentário (curta-metragem)
– “Killing in the name”
– “Poster girl”
– “Strangers no more”
– “Sun come up”
– “The warriors of Qiugang”

Melhor edição (montagem)
– “Cisne negro”
– “O vencedor”
– “O discurso do rei”
– “127 horas”
– “A rede social”

Melhor maquiagem:
– “O Lobisomem”
– “Caminho da Liberdade”
– “Minha Versão para o Amor”

Melhor filme de língua estrangeira

– “Biutiful”(México)
– “Dogtooth” (Grécia)
– “Em um mundo melhor” (Dinamarca)
– “Incêndios” (Canadá)
– “Fora da Lei” (Argélia)

Melhor trilha sonora original
– “Como treinar seu dragão” –  John Powell
– “A origem” – Hans Zimmer
– “O discurso do rei” – Alexandre Desplat
– “127 horas” – A.R. Rahman
– “A rede social” – Trent Reznor e Atticus Ross

Melhor canção original
– “Coming home”, de “Country Strong”
– “I see the light”, de “Enrolados”
– “If I rise”, de “127 horas”
– “We belong together”, de “Toy Story 3″

Melhor curta-metragem
– “The confession”
– “The crush”
– “God of love”
– “Na wewe”
– “Wish 143″

Melhor curta-metragem de animação
– “Day & night”
– “The gruffalo”
– “Let’s pollute”
– “The lost thing”
– “Madagascar, carnet de voyage”

Melhor edição de som
– “A origem”
– “Toy Story 3″
– “Tron: o legado”
– “Bravura indômita”
– “Incontrolável”

Melhor mixagem de som
– “A origem”
– “O discurso do rei”
– “Salt” (em dvd)
– “A rede social”
– “Bravura indômita”

Melhores efeitos visuais
– “Alice no País das Maravilhas”
– Harry Potter e as relíquias da morte – Parte 1″
– “Além da vida”
– “A origem”
– “O Homem de Ferro 2″

Anúncios

Apostas para o Oscar

Amanhã é dia de Oscar [a partir das 22h (horário de Brasília) – TNT/Globo]! Aproveitando que vi a maior parte dos indicados, coloco em negrito minhas apostas para os vencedores, em azul os que mereciam e, abaixo, alguns comentários sobre a categoria.

Melhor filme:
– “A rede social”
“O discurso do rei”
– “Cisne negro”
“O vencedor”
– “A origem”
– “Toy Story 3”
– “Bravura indômita”
– “Minhas mães e meu pai”
– “127 horas”
– “Inverno da alma”

Aqui, a aposta fica entre “O Discurso do Rei” e “A Rede Social”. Prefiro o primeiro, que tem personagens carismáticos e uma mensagem de otimismo e superação. É o embate entre um filme de época – que, ao final, leva a refletir sobre o maior confronto enfrentado pela humanidade – e um filme contemporâneo, sobre o grande fenômeno da comunicação mundial. No entanto, a categoria tem filmes melhores (todos os indicados são bons!). No conjunto, acho que meu favorito é “O Vencedor”, mas não é “um filme de Oscar”.

Melhor diretor:
David Fincher – “A rede social”
– Tom Hooper – “O discurso do rei”
– Darren Aronofsky – “Cisne negro”
Joel e Ethan Coen – “Bravura indômita”
– David O. Russell – “O vencedor”

Eu achei “A Rede Social” um filme bem normalzinho, mas ele é bem dirigido. No entanto, vou torcer por “Bravura indômita”.

Melhor ator:
– Jesse Eisenberg – “A rede social”
Colin Firth – “O discurso do rei”
– James Franco – “127 horas”
– Jeff Bridges – “Bravura indômita”
– Javier Bardem – “Biutiful”

Colin Firth merece! Seguido de perto por Javier Bardem e James Franco.

Melhor atriz:
– Annette Bening – “Minhas mães e meu pai”
Natalie Portman – “Cisne negro”
– Nicole Kidman – “Rabbit Hole”
– Michelle Williams – “Blue valentine”
– Jennifer Lawrence – “Inverno da alma”

Natalie Portman arrasa!! Nicole Kidman e Michelle Williams também estão ótimas nos filmes [depressivos] pelos quais foram indicadas.

Melhor ator coadjuvante:
– Mark Ruffalo – “Minhas mães e meu pai”
– Geoffrey Rush – “O discurso do rei”
Christian Bale – “O vencedor”
– Jeremy Renner – “Atração perigosa”
– John Hawkes – “Inverno da alma”

Vou torcer pelo Christian Bale, mas se Geoffrey Rush ganhar, não ficarei triste. (Obs: dessa categoria, faltou “Atração perigosa”)

Melhor atriz coadjuvante:
– Helena Bonham Carter – “O discurso do rei”
– Melissa Leo – “O vencedor”
– Amy Adams – “O vencedor”
Hailee Steinfeld – “Bravura indômita”
– Jacki Weaver – “Reino animal”

Hailee Steinfeld é nova para ganhar um Oscar, mas, se levar, será merecido! Jacki Weaver também está muito bem em “Reino animal”, dá medo dela. Amy Adams está ótima em “O Vencedor”! (Todas as atrizes da categoria são muito boas!)

Melhor roteiro original:
– “Cisne negro”
– “Minhas mães e meu pai”
“O vencedor”
– “A origem”
“O discurso do rei”

Melhor roteiro adaptado:
“A rede social”
– “127 horas”
“Bravura indômita”
– “Toy Story 3”
– “Inverno da alma”

Melhor longa-metragem de animação:
– “Como treinar o seu dragão”
– “O mágico”
“Toy Story 3” (Será merecidissímo!)

Melhor direção de arte:
– “Alice no País das Maravilhas”
– “Harry Potter e as relíquias da morte – Parte 1”
“A origem”
– “O discurso do rei”
“Bravura indômita”

Melhor fotografia
– “Cisne negro”
– “A origem”
– “O discurso do rei”
– “A rede social”
“Bravura Indômita”

“127 horas” deveria estar nesta categoria, seria meu favorito. Dentre os indicados, “Bravura Indômita” merece o Oscar, seguido de perto por “Cisne Negro”, apesar de sua fotografia previsível.

Melhor figurino
“Alice no País das Maravilhas”
– “I am love”
“O discurso do rei”
– “Bravura indômita”
– “The tempest”

Não vi “I am love” e “The tempest”, mas Alice tem um visual chocante que merece Oscars técnicos.

Melhor documentário (longa-metragem)
“Exit through the gift shop”
– “Gasland”
– “Trabalho Interno”
– “Restrepo”
Lixo extraordinário

Não vi o favorito “Exit through the gift shop”, nem “Gasland”. Mas queria muito que “Lixo Extraordinário” levasse.

Melhor edição
– “Cisne negro”
– “O vencedor”
– “O discurso do rei”
“127 horas”
“A rede social”

Melhor filme de língua estrangeira

– “Biutiful”(México)
– “Dogtooth” (Grécia)
“Em um mundo melhor” (Dinamarca)
– “Incêndios” (Canadá)
– “Fora da Lei” (Argélia)

Se “Em um mundo melhor” ganhar, será merecido, o filme é incrível!! (Ainda não vi “Incêndios”, mas, dos outros 4, o dinamarquês parece merecer mais – seguido de perto por “Biutiful”)

Melhor trilha sonora original
– “Como treinar seu dragão” –  John Powell
– “A origem” – Hans Zimmer
– “O discurso do rei” – Alexandre Desplat
“127 horas” – A.R. Rahman (Impressionante do começo ao fim!)
“A rede social” – Trent Reznor e Atticus Ross


Melhor canção original
– “Coming home”, de “Country Strong”
– “I see the light”, de “Enrolados”
“If I rise”, de “127 horas” (Linda!!)
– “We belong together”, de “Toy Story 3” (Merece um menção especial!)

Melhores efeitos visuais
“Alice no País das Maravilhas”
– Harry Potter e as relíquias da morte – Parte 1″
– “Além da vida”
“A origem”
– “O Homem de Ferro 2”

Categorias “whatever” (Porque “A Origem” deu muito o que falar para sair sem estatuetas)

Melhor edição de som
– “A origem”
– “Toy Story 3”
– “Tron: o legado”
– “Bravura indômita”
– “Incontrolável”

Melhor mixagem de som
“A origem”
– “O discurso do rei”
– “Salt” (em dvd)
– “A rede social”
– “Bravura indômita”

Melhor maquiagem:
– “O Lobisomem”
– “Caminho da Liberdade”
“Minha Versão para o Amor”

Geralmente eu gosto da categoria “Melhor Maquiagem”, mas este ano ela foi justamente a que desprezei, já que não vi  nenhum dos indicados. A aposta é cega e foi baseada nos trailers.

Infelizmente, ainda não vi nenhum dos curtas para fazer apostas.

E a melhor parte desse Oscar é que ele tem dois atores jovens e carismáticos comandando a cerimônia! Pelos vídeos publicitários, parece que James Franco e Anne Hathaway serão ótimos apresentadores!!

Dois nacionais em tempos de Oscar

Colocar um filme nacional em cartaz em tempos de Oscar parece (e imagino que seja) um grande suícidio. O assassinato do filme. Nosso cinema, salvo raras exceções, não costuma ser muito prestigiado em sua própria terra; concorrendo com os grandes destaques cinematográficos do ano então, fica difícil.

Talvez as distribuidoras de “O Samba que mora em mim” e “Malu de Bicicleta” não tenham imaginado que “Cisne Negro” e “O Discurso do Rei” dariam tanto o que falar. Mas deviam.

“O Samba que mora em mim” estreou por aqui nesta sexta, dia 11, mesma data de “O Discurso do rei”Bravura Indômita. O documentário fez sucesso na última Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, levando o Prêmio Especial do Júri Oficial – Documentários. Em sua estreia no grande circuito, no entanto, foi pouco comentado. O documentário retrata os moradores do Morro da Mangueira, que tem o samba em suas vidas, mas cujos relatos nem sempre falam de samba. É um belo filme, com bons personagens e um bonito trabalho de câmera.

Já o simpático “Malu de Bicicleta” estreou dia 4 de fevereiro, junto com“Cisne Negro”. E, igualmente, não rendeu comentários apesar de ter tido destaque nos Festivais do Rio (2010)Tiradentes (2011) e Paulínia(2010). No longa, Fernanda de Freitas e Marcelo Serrado são um casal inusitado, fruto da persistência de ambos; vítima do ciúme e da inveja. É um filme simples, com um ar de telefilme, mas os personagens e os cenários em que se passa  (uma praia carioca e uma antiga fábrica transformada em balada em São Paulo) têm seu charme.

Se chegassem ao circuito comecial em uma época diferente, acredito que tais longas atrairiam seu público. Há poucas semanas do Oscar – e disputando com os principais indicados da Academia de Hollywood – os longas nacionais perderam sua chance. Nessa hora, fico pensando se foi um erro inocente das distriuidoras ou se elas simplesmente descartaram seus filmes.

Enquanto isso, o Cine Belas Artes anunciou que fechará suas portas no dia 24 de fevereiro. São caminhos tristes estes que o nosso cinema tem trilhado.

Detalhes:

O Samba que Mora em Mim
País: Brasil
Diretora: Georgia Guerra-Peixe
Fotografia: Marcelo Rocha
Trilha Sonora: Dimi Kireeff
Ano: 2010
Estréia: 11 de fevereiro de 2011
Salas de exibição

Malu de Bicicleta
País: Brasil
Diretor: Flávio Ramos Tambellini
Fotografia: Gustavo Hadba
Trilha Sonora: Dado Villa-Lobos
Ano: 2010
Estréia: 04 de fevereiro de 2011
Salas de exibição

Texto escrito e publicado hoje no Vereda Estreita.

Vencedores SAG Awards 2011

Na espera pelo Oscar e em minha busca por novas séries para consumir meu tempo útil, achei que seria bom guardar os vencedores do SAG Awards 2011 em um lugar de fácil acesso. O prêmio do Screen Actors Guild, o sindicato dos atores norte-americanos, é um esquenta para as categorias de atuação do Oscar – e os resultados também não foram muito diferentes do Globo de Ouro, cujos vencedores publico no dia 17/01, data imediatamente posterior à premiação.

A aposta quanto às séries fica por conta de Boardwalk Empire, que levou o Ator e o Globo de Ouro por melhor série de drama. Os prêmios recebidos por Mad Men em anos anteriores se fizeram merecidos. Espero que – como os simpáticos publicitários dos anos 60 – está também valha a pena.

A minissérie Carlos é outra promessa – em vista para a lista de downloads desde o frisson que causou na Mostra [Internacional de Cinema de São Paulo de] 2010. Dizem que não é difícil achar o torrent, a ver.

 

Eis a lista completa de indicados ao SAG Awards 2011 – em negrito, os vencedores em cada categoria:

Melhor ator coadjuvante
Christian Bale – O Vencedor
John Hawkes – Inverno da Alma
Jeremy Renner – Atração Perigosa
Mark Ruffalo – Minhas Mães e Meu Pai
Geoffrey Rush – O Discurso do Rei

Melhor atriz coadjuvante
Amy Adams – O Vencedor
Helena Bonham Carter – O Discurso do Rei
Mila Kunis – Cisne Negro
Melissa Leo – O Vencedor
Hailee Steinfeld – Bravura Indômita

Melhor ator protagonista
Jeff Bridges – Bravura Indômita
Robert Duvall – Get Low
Jesse Eisenberg – A Rede Social
Colin Firth – O Discurso do Rei
James Franco – 127 Horas

Melhor atriz protagonista
Anette Bening – Minhas Mães e Meu Pai
Nicole Kidman – Rabbit Hole
Jennifer Lawrence – Inverno da Alma
Natalie Portman – Cisne Negro
Hilary Swank – Conviction

Melhor elenco
Cisne Negro
O Vencedor
Minhas Mães e Meu Pai
O Discurso do Rei
A Rede Social

Melhor elenco de dublês
Zona Verde
A Origem
Robin Hood

Televisão
Melhor elenco em série de TV (drama)
Boardwalk Empire
The Closer
Dexter
The Good Wife
Mad Men

Melhor elenco em série de TV (comédia)
30 Rock
Glee
Hot in Cleveland
Modern Family
The Office

Melhor ator em série dramática
Steve Buscemi – Boardwalk Empire
Bryan Cranston – Breaking Bad
Michael C. Hall – Dexter
Jon Hamm – Mad Men
Hugh Laurie – House

Melhor atriz em série dramática
Glenn Close – Damages
Mariska Hargitay – Law & Order: SVU
Julianna Margulies – The Good Wife
Elisabeth Moss – Mad Men
Kyra Sedgwick – The Closer

Melhor ator em série cômica
Alec Baldwin – 30 Rock
Ty Burrell – Modern Family
Steve Carell – The Office
Chris Colfer – Glee
Ed O’Neill – Modern Family

Melhor atriz em série cômica
Edie Falco – Nurse Jackie
Tina Fey – 30 Rock
Jane Lynch – Glee
Sofia Vergara – Modern Family
Betty White – Hot in Cleveland

Melhor ator em minissérie ou telefilme
John Goodman – You Don’t Know Jack
Al Pacino – You Don’t Know Jack
Dennis Quaid – The Special Relationship
Edgar Ramirez – Carlos
Patrick Stewart – Macbeth

Melhor atriz em minissérie ou telefilme
Claire Danes – Temple Grandin
Catherine O’Hara – Temple Grandin
Julia Ormond – Temple Grandin
Winona Ryder – When Love in Not Enough: The Lois Wilson Story
Susan Sarandon – You Don’t Know Jack

Melhor elenco de dublês em série de TV
Burn Notice
CSI: NY
Dexter
Southland
True Blood

Oscar: Os Indicados

Lista completa dos indicados ao Oscar 2011:
A premiação acontece dia 27 de fevereiro, domingo, a partir das 22h (horário de Brasília) – TNT/Globo

Melhor filme:
– “A rede social” (em cartaz)
– “O discurso do rei” (estreia dia 11/02)
– “Cisne negro” (estreia dia 04/02)
– “O vencedor” (estreia dia 04/02)
– “A origem” (em dvd)
– “Toy Story 3” (em dvd)
– “Bravura indômita” (estreia dia 11/02)
– “Minhas mães e meu pai” (em breve em dvd)
– “127 horas” (estreia dia 18/02)
– “Inverno da alma” (em cartaz)

Melhor diretor:
– David Fincher – “A rede social”
– Tom Hooper – “O discurso do rei”
– Darren Aronofsky – “Cisne negro”
– Joel e Ethan Coen – “Bravura indômita”
– David O. Russell – “O vencedor”

Melhor ator:
– Jesse Eisenberg – “A rede social”
– Colin Firth – “O discurso do rei”
– James Franco – “127 horas”
– Jeff Bridges – “Bravura indômita”
– Javier Bardem – “Biutiful” (em cartaz)

Melhor atriz:
– Annette Bening – “Minhas mães e meu pai”
– Natalie Portman – “Cisne negro”
– Nicole Kidman – “Reencontrando a Felicidade” [Rabbit hole] (estreia prevista para dia 06/05)
– Michelle Williams – “Blue valentine” (estreia prevista para 08/06)
– Jennifer Lawrence – “Inverno da alma”

Melhor ator coadjuvante:
– Mark Ruffalo – “Minhas mães e meu pai”
– Geoffrey Rush – “O discurso do rei”
– Christian Bale – “O vencedor”
– Jeremy Renner – “Atração perigosa” (em dvd)
– John Hawkes – “Inverno da alma”

Melhor atriz coadjuvante:
– Helena Bonham Carter – “O discurso do rei”
– Melissa Leo – “O vencedor”
– Amy Adams – “O vencedor”
– Hailee Steinfeld – “Bravura indômita”
– Jacki Weaver – “Reino animal” (em dvd)

Melhor roteiro original:
– “Cisne negro”
– “Minhas mães e meu pai”
– “O vencedor”
– “A origem”
– “O discurso do rei”

Melhor roteiro adaptado:
– “A rede social”
– “127 horas”
– “Bravura indômita”
– “Toy Story 3”
– “Inverno da alma”

Melhor longa-metragem de animação:
– “Como treinar o seu dragão” (em dvd)
– “O mágico” (em cartaz)
– “Toy Story 3”

Melhor direção de arte:
– “Alice no País das Maravilhas” (dvd sai em julho)
– “Harry Potter e as relíquias da morte – Parte 1” (dvd sai em abril)
– “A origem”
– “O discurso do rei”
– “Bravura indômita”

Melhor fotografia
– “Cisne negro”
– “A origem”
– “O discurso do rei”
– “A rede social”
– “Bravura indômita”

Melhor figurino
– “Alice no País das Maravilhas”
– “I am love” (estreia dia 18/03)
– “O discurso do rei”
– “Bravura indômita”
– “The tempest” (estreia prevista para 25/03)

Melhor documentário (longa-metragem)
– “Exit through the gift shop”
– “Gasland”
– “trabalho Interno” (estreia dia 18/02)
– “Restrepo”
– “Lixo extraordinário” (em cartaz)

Melhor documentário (curta-metragem)
– “Killing in the name”
– “Poster girl”
– “Strangers no more”
– “Sun come up”
– “The warriors of Qiugang”

Melhor edição (montagem)
– “Cisne negro”
– “O vencedor”
– “O discurso do rei”
– “127 horas”
– “A rede social”

Melhor maquiagem:
– “O Lobisomem”
– “Caminho da Liberdade”
– “Minha Versão para o Amor”

Melhor filme de língua estrangeira

– “Biutiful”(México) – em cartaz
– “Dogtooth” (Grécia)
– “Em um mundo melhor” (Dinamarca) – estreia prevista para 11/03
– “Incêndios” (Canadá) – estreia dia 25/02
– “Fora da Lei” (Argélia) – em cartaz

Melhor trilha sonora original
– “Como treinar seu dragão” –  John Powell
– “A origem” – Hans Zimmer
– “O discurso do rei” – Alexandre Desplat
– “127 horas” – A.R. Rahman
– “A rede social” – Trent Reznor e Atticus Ross

Melhor canção original
– “Coming home”, de “Country Strong” (estreia prevista para 04/03)
– “I see the light”, de “Enrolados” (em cartaz)
– “If I rise”, de “127 horas”
– “We belong together”, de “Toy Story 3”

Melhor curta-metragem
– “The confession”
– “The crush”
– “God of love”
– “Na wewe”
– “Wish 143”

Melhor curta-metragem de animação
– “Day & night”
– “The gruffalo”
– “Let’s pollute”
– “The lost thing”
– “Madagascar, carnet de voyage”

Melhor edição de som
– “A origem”
– “Toy Story 3”
– “Tron: o legado” (em dvd)
– “Bravura indômita”
– “Incontrolável” (em cartaz)

Melhor mixagem de som
– “A origem”
– “O discurso do rei”
– “Salt” (em dvd)
– “A rede social”
– “Bravura indômita”

Melhores efeitos visuais
– “Alice no País das Maravilhas”
– Harry Potter e as relíquias da morte – Parte 1″
– “Além da vida” (em cartaz)
– “A origem”
– “O Homem de Ferro 2” (em dvd)

Um toque de arte em meio ao abandono

“Lixo Extraordinário” começa apresentando o artista plástico Vik Muniz, seus trabalhos no ateliê de Nova York e seu projeto de realizar fotografias de lixo no Jardim Gramacho, o maior aterro sanitário da América Latina, localizado na periferia do Rio de Janeiro. Em seguida, Vik e seu colega Fábio pesquisam juntos sobre Gramacho, que, de longe, se parece muito com o imaginário do “inferno na Terra”.

Conforme os artistas (e o filme) vão se aproximando do aterro e das pessoas que compõem aquele cenário, no entanto, o documentário vai ganhando uma dimensão humana que ameniza o horror de todo o lixo concentrado no Jardim Gramacho. Como eles lembram no longa, as pessoas que trabalham ali são tratadas como o lixo (ou pior): esquecidas, abandonadas à própria sorte.

Os depoimentos captados emocionam. No limite, é mais ou menos dessa forma que vive a maior parte da população do nosso país, pessoas que estão ali todos os dias e quase nunca são vistas. Um Brasil muito além das novelas ou dos filmes de favela. No lixão, a situação é bem pior.

A ideia que surge então é a da arte transformadora: Muniz convida um grupo de catadores de material reciclável para trabalhar com ele em sua série “Imagens do Lixo” – que depois fez muito sucesso exposta no MAM-Rio. Mas o próprio artista se questiona sobre qual será o efeito dessa interação na vida dos trabalhadores do Jardim Gramacho: para quem viu na arte uma possibilidade diferente de vida, como será voltar ao aterro?

“Lixo Extraordinário” vai levantando essas e outras reflexões enquanto mostra nuances psicológicas dos personagens fortes que trabalharam com Muniz e sua equipe. Em algumas cenas, é impossível conter a emoção – e as lágrimas derramadas trazem consigo a dor de um país imerso em abandono.

Detalhes:

Título: Lixo Extraordinário / Waste Land (facebook oficial)
País: Brasil, Reino Unido
Diretor: Lucy WalkerKaren HarleyJoão Jardim
Fotografia: Duda Miranda
Trilha Sonora: Moby
Ano: 2010
Estréia: 21 de janeiro de 2011
Salas de exibição

Foto: Marat Sabastião, por Vik Muniz. Divulgação.

P.S.: Em 2010, “Lixo Extraordinário” já conquistou os prêmios do Júri Popular nos festivais de BerlimSundance, além do Prêmio Especial do Júri e de melhor documentário do Júri Popular no Festival de Paulínia. O longa também disputa o Oscar 2011 de melhor documentário!

Texto escrito e publicado hoje no Vereda Estreita.

Veja quais longas podem disputar o Oscar de filme estrangeiro

65 países disputam uma vaga para concorrer ao Oscar de filme estrangeiro em 2011. A lista, divulgada hoje, inclui países que nunca tentaram a vaga, como Etiópia e Groenlândia.

Este ano, o Brasil tenta chegar ao Oscar com o filme ‘Lula, o Filho do Brasil’, dirigido por Fábio Barreto e que conta a tragetória do presidente e sua mãe enquanto Lula era criança e até se tornar metalúrgico.

No dia 25 de janeiro de 2011 serão divulgados os cinco candidatos que vão concorrer ao Oscar de filme estrangeiro e a cerimônia de entrega acontece no dia 27 de fevereiro.

Entre os favoritos estão o tailandês ‘Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives’ (Tio Boonmee, que pode recordar suas vidas passadas, em tradução livre), de Apichatpong Weerasethakul, que venceu a Palma de Ouro de Cannes este ano; o argentino ‘Abutres’, de Pablo Trapero (de ‘Leonera’), e o mexicano ‘Biutiful’, de Alejandro Gonzalez Inarritu (de ‘Babel’ e ’21 gramas’).

Confira a lista completa:

Albânia
“East, West, East”, de Gjergj Xhuvani

Algéria
“Hors la Loi” (“Outside the Law”), de Rachid Bouchareb

Argentina
“Abutres” (“Carancho”), de Pablo Trapero, estreia no Brasil em 26/11

Áustria
“La Pivellina”, de Tizza Covi e Rainer Frimmel

Azerbaijão
“The Precinct”, de Ilgar Safat

Bangladesh
“Third Person Singular Number”, de Mostofa Sarwar Farooki

Bélgica
“Illegal”, de Olivier Masset-Depasse

Bósnia-Herzegovina
“Circus Columbia”, de Danis Tanovic

Brasil
“Lula, o Filho do Brasil”, de Fábio Barreto

Bulgária
“Eastern Plays”, de Kamen Kalev

Canadá
“Incendies”, de Denis Villeneuve

Chile
“The Life of Fish”, de Matias Bize

China
“Aftershock”, de Feng Xiaogang

Colômbia
“Crab Trap”, de Oscar Ruiz Navia

Costa Rica
“Of Love and Other Demons”, de Hilda Hidalgo

Croácia
“The Blacks”, de Goran Devic e Zvonimir Juric

República Tcheca
“Kawasaki’s Rose”, de Jan Hrebejk

Dinamarca
“In a Better World”, de Susanne Bier

Egito
“Messages from the Sea”, de Daoud Abdel Sayed

Estônia
“The Temptation of St. Tony”, de Veiko Ounpuu

Etiópia
“The Athlete”, de Davey Frankel e Rasselas Lakew

Finlândia
“Steam of Life”, de Joonas Berghall e Mika Hotakainen

França
“Of Gods and Men”, de Xavier Beauvois

Georgia
“Street Days”, de Levan Koguashvili

Alemanha
“When We Leave”, de Feo Aladag

Grécia
“Dogtooth”, de Yorgos Lanthimos

Groenlândia
“Nuummioq”, de Otto Rosing e Torben Bech

Hong Kong
“Echoes of the Rainbow”, de Alex Law

Hungria
“Bibliotheque Pascal”, de Szabolcs Hajdu

Islândia
“Mamma Gogo”, de Fridrik Thor Fridriksson

Índia
“Peepli [Live]”, de Anusha Rizvi

Indonésia
“How Funny (Our Country Is)”, de Deddy Mizwar

Irã
“Farewell Baghdad”, de Mehdi Naderi

Iraque
“Son of Babylon”, de Mohamed Al-Daradji

Israel
“The Human Resources Manager”, de Eran Riklis

Itália
“La Prima Cosa Bella” (“The First Beautiful Thing”), de Paolo Virzi

Japão
“Confessions”, de Tetsuya Nakashima

Cazaquistão
“Strayed”, de Akan Satayev

Coréia
“A Barefoot Dream”, de Tae-kyun Kim

Quirguistão
“The Light Thief”, de Aktan Arym Kubat

Letônia
“Hong Kong Confidential”, de Maris Martinsons

Macedônia
“Mothers”, de Milcho Manchevski

México
“Biutiful”, de Alejandro Gonzalez Inarritu, estreia no Brasil em 28/01

Holanda
“Tirza”, de Rudolf van den Berg

Nicarágua
“La Yuma”, de Florence Jaugey

Noruega
“The Angel”, de Margreth Olin

Perú
“Undertow” (“Contracorriente”), de Javier Fuentes-Leon

Filipinas
“Noy”, de Dondon S. Santos e Rodel Nacianceno

Polônia
“All That I Love”, de Jacek Borcuch

Portugal
“To Die Like a Man”, de Joao Pedro Rodrigues

Porto Rico
“Miente” (“Lie”), de Rafael Mercado

Romênia
“If I Want to Whistle, I Whistle”, de Florin Serban

Rússia
“The Edge”, de Alexey Uchitel

Sérvia
“Besa”, de Srdjan Karanovic

Eslováquia
“Hranica” (“The Border”), de Jaroslav Vojtek

Eslovênia
“9:06”, de Igor Sterk

África do Sul
“Life, above All”, de Oliver Schmitz

Espanha
“Tambien la Lluvia” (“Even the Rain”), de Iciar Bollain

Suécia
“Simple Simon”, de Andreas Ohman

Suíça
“La Petite Chambre”, de Stephanie Chuat e Veronique Reymond

Taiwan
“Monga”, de Chen-zer Niu

Tailândia
“Uncle Boonmee Who Can Recall His Past Lives”, de Apichatpong Weerasethakul

Turquia
“Bal” (“Honey”), de Semih Kaplanoglu

Uruguai
“La Vida Util”, de Federico Veiroj

Venezuela
“Hermano”, de Marcel Rasquin

Nota escrita e publicada hoje no Portal da RedeTV.

Saiba como influenciar na escolha do representante brasileiro no Oscar

Pela primeira vez, o público poderá influenciar no filme que o Brasil enviará para disputar o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro 2011. O Ministério da Cultura (MinC) abriu uma votação para que os espectadores escolham o filme que gostariam que fosse indicado na disputa da Academia de Cinema de Hollywood. A iniciativa, inédita, busca auxiliar a Comissão de Seleção oficial na escolha do título brasileiro.

Após controvérsias com a indicação de ‘Salve Geral’ para o Oscar 2010, o MinC resolveu ouvir uma opinião diferente da dos membros da Comissão de Seleção, composta por representantes do Governo, da sociedade civil organizada e especialistas no setor.

O MinC, então, lançou a pergunta: “Qual filme brasileiro você gostaria de ver concorrendo ao Oscar 2011?” e convida a todos para votar na enquete.

Os filmes inscritos na votação pública para concorrer a uma indicação como representante do Brasil no Oscar 2011 de Melhor Filme Estrangeiro são: ‘As Melhores Coisas do Mundo’. ‘A Suprema Felicidade’, ‘Antes que o mundo acabe’, ‘Bróder’, ‘Cabeça a Prêmio‘, ‘Carregadoras de Sonhos’, ‘Cinco Vezes Favela, Agora Por Nós Mesmos’, ‘Chico Xavier’, ‘É Proibido Fumar’, ‘Em Teu Nome’, ‘Hotel Atlântico’, ‘Lula, o Filho do Brasil’, ‘Nosso Lar‘, ‘Olhos Azuis’, ‘Ouro Negro’, ‘O Bem Amado’, ‘O Grão’, ‘Os Inquilinos’, ‘Os Famosos e os Duentes da Morte’, ‘Quincas Berro D’água’, ‘Reflexões de um Liquidificador’, ‘Sonhos Roubados’ e ‘Utopia e Barbárie’.

Por enquanto, o longa ‘Nosso Lar’, que estreou na última sexta-feira (03), lidera a votação com 591 votos, 37% do total, seguido de ‘Chico Xavier’, com 9% dos votos. A votação vai até dia 20 e o filme escolhido pela Comissão, que levará a enquete em conta, será divulgado no dia 23 de setembro, em São Paulo. A cerimônia de premiação do Oscar será no dia 27 de fevereiro de 2011.

Nota escrita e publicada hoje no Portal da RedeTV.

Jorge Drexler apresenta novo disco em turnê pelo Brasil

Sorridente e barbudo: é assim que o cantor uruguaio Jorge Drexler deve se apresentar neste final de semana aqui no Brasil. De volta ao país após pouco menos de um ano, Drexler toca nesta sexta-feira (23) em São Paulo, segue para Porto Alegre (24 e 25) e depois vai a Florianópolis (27).

Formado em medicina, Drexler conta que só se decidiu pela música como profissão aos 30 anos: “sempre fui o último dos meus amigos a tomar decisões”. Hoje com 45 anos e morando na Espanha desde 1994, o uruguaio começou a compor em 1989 e em 1992 lançou seu primeiro disco, ‘La luz que sabe robar’.

Oscar
A fama mundial veio com a música ‘Al otro lado del río’, que ganhou o Oscar de melhor canção em 2005, pelo filme ‘Diários de Motocicleta’, dirigido pelo brasileiro Walter Salles. Ele conta que não mudou após a conquista inesperada: “minha carreira mudou, cresceu muito. Mas eu continuo o mesmo. Eu não esperava, não tinha isso como meta, nunca nem tinha visto uma cerimônia do Oscar ao vivo.”

Drexler diz que, em casos como este, a criação de objetivos é uma grande inimiga: “acho que o pior que pode acontecer com as metas é elas se cumprirem, o vazio que fica depois que a sua meta se cumpriu é insuportável, poucas pessoas conseguem se recuperar de um êxito. É impossível não se dar mal no final, porque ou você consegue e sente aquele vazio interior ou você falha e fica frustrado.”

Amar la trama
Felizmente, frustração é algo que tem passado longe da carreira de Drexler, que só cresceu desde 2005. Este ano, ele lançou seu 12º álbum, ‘Amar la trama’, o primeiro em estúdio gravado na Espanha e que fala de sua relação com o país. “Demorei uns 12, 13 anos para me adaptar, eu era muito dependente do Uruguai. Antes eu escrevia muito sobre a distância, mas agora me achei em Madri e quis tocar meu amor à cidade. Mas o Uruguai sempre estará comigo, é minha origem”, conta.

Com exceção de seu trabalho anterior, ‘Cara B’, que foi gravado ao vivo durante uma semana de apresentações na Cataluña, seus 10 discos anteriores foram gravados no Uruguai, mesmo com o cantor já não residindo mais em seu país natal. “‘Cara B’ foi um disco aberto, teve interferências do público e cada espetáculo era diferente do outro. ‘Amar la trama’ é um CD mais fixo, gravado em estúdio”, diz Drexler.

O uruguaio revela que não gosta muito de compor. “Eu preciso, mas não gosto do momento. Levo 3 ou 4 semanas para compor um disco, é um carrossel bipolar de euforia e desilusão, uma euforia injustificada e uma depressão injustificada quando as coisas não saem. A composição é um ato inconsciente que você regula com a razão. Eu primeiro tenho uma ideia associativa, é como um perfume que chega de algum lugar e você persegue. Aí coloco isso no papel, equalizo, rimo, estrofo, mas o eixo central da canção é inconsciente.”

“Prefiro tocar ao vivo”, revela Drexler, que diz que o palco é uma cura: “você trabalha com a realidade espontânea do momento presente. No palco há um presente impostergável; isso é uma coisa que eu conheci também na porta de emergência de um hospital: você tem que estar com toda a sua atenção naquele momento e isso te conecta com a situação.”

Brasil
Drexler tem uma relação forte com nosso país e fala um português quase fluente, “mesmo sem nunca ter estudado”, brinca. Sua bisavó materna era gaúcha e, em casa, cresceu ouvindo e lendo português. Ele se diz fã de Villa-Lobos, Pixiguinha, João Gilberto, Chico Buarque e Marcelo Camelo e, atualmente, acumula parcerias com artistas brasileiros como Maria Rita, Paulinho Moska, Ivan Lins, Zélia Duncan e Arnaldo Antunes, entre outros.

Os shows do cantor aqui no Brasil são frequentes, ele diz gostar do público por aqui e se mostra empolgado ao falar das apresentações desta semana. “Em São Paulo, há uma mistura da reflexão que a cidade provoca em seus habitantes com a alegria natural do povo brasileiro. Com Porto Alegre e Florianópolis é parecido. O Brasil é um país seguro de si, aqui não há inveja”, elogia, sem esquecer que nosso país “tem outros problemas, mas inveja não!”

Matéria escrita e publicada quinta-feira (22) no Portal da RedeTV.

.

Um adendo posterior [16/05/2011]: Na quinta (22), entrevistei Jorge Drexler no hotel em que estava hospedado em São Paulo. Na sexta, fui ao show. Um dos melhores nos quais já estive – pelo clima, por gostar das músicas (embora, na época, conhecesse poucas delas), pelo alto astral que a simples presença de Drexler causa.

Outro dia, baixei a discografia completa do cantor e agora, aos poucos, estou ouvindo-a. Prefiro os discos mais novos e hoje senti curiosidade de saber/lembrar qual foi o setlist deste show ao qual fui. Eis-lo aqui, caso torne a querer vê-lo no futuro:

Setlist (show em São Paulo, dia 23/7)
Todos a Sus Puestos
Uma Canción Me Trajo Hasta Aquí
3000 Millones de Latidos
Cerca Del Mar
Transporte
Se Va, Se Va, Se Fue
La Nieve Em La Bola de Nieve
Guitarra Y Voz
Don de Fluir
Milonga Del M.J
Sampa (cover Caetano Veloso)
Doce Solidão (com Marcelo Camelo)
Las Transeúntes
Disneylândia (cover Titãs)
Toque de Queda
Aquellos Tiempos
Polvo de Estrellas
Frontera
Todo Se Transforma

Bis
Al Otro Lado Del Río
Soledad
La Trama Y El Desenlace
Sea

[23/5/11] No mesmo dia em que eu conversei com Drexler, o Metropólis também estava lá (pressday). Eu entrei logo depois deles para conversar com o cantor. Como não tirei fotos dele, guardo AQUI o link.

Distrito 9

Para fechar o post anterior, resolvi escrever sobre alguns filmes que estavam concorrendo à Oscars, mas que só assisti depois de ter escrito o post anterior. Distrito 9 é fantástico e merecia alguns prêmios. Sandra Bullock está formidável em Um Sonho Possível, mas seu papel é fácil de emocionar e, sem dúvida, fácil de acertar. Educação e O Fantástico Sr. Raposo me pareceram superestimados, deste último falou-se tão bem que esperei algo muito melhor do que encontrei, embora o filme seja divertido e com belas cores. Já Invictus é uma piada de mau gosto. Começarei por Distrito 9, e falo dos outros em um post futuro.

Distrito 9
Montado como se fosse um documentário e dirigido pelo sul-africano Neill Blomkamp, o filme retrata um apartheid de aliens em Johannesburgo, capital da África do Sul. Quando vi o trailler, me lembro de pensar que era apenas mais um filme sobre ETs, invasões à terra e afins. Mas Distrito 9 é muito mais que isso. Ele faz refletir sobre o preconceito para com o diferente e sobre a questão do apartheid, colocando os ETs para pousarem bem ali, onde anos antes eram os negros que eram jogados em favelas e empurrados para os subúrbios.

Após aterrissarem na Terra por problema técnicos em sua espaçonave, sofrendo com a fome e a falta de um lugar para ficar, as autoridades locais acomodam os alienígenas no ‘Distrito 9’, uma enorme favela onde nigerianos traficam armas e latas de comida de gato (o alimento favorito dos aliens), além de comerem os extraterrestres achando que talvez assim consigam usar suas poderosas armas (que só funcionam ao toque do ‘dedo’ alienígena).

Chamados de ‘camarões’ pelos seres humanos, o tratamento dedicado aos alienígenas não é muito diferente da maneira como foram tratados os tútsis em Ruanda, chamados de ‘baratas’ pelo hútus à época da limpeza étnica (800 mil tútsis morreram em Ruanda em 1994 – sobre isso, ver o filme Hotel Ruanda) ou do modo como os sul-africanos vêem os emigrantes zimbabuanos hoje em dia (veja entrevista da Folha com o diretor Neill Blomkamp).

Em Distrito 9, o que sentimos pelo extraterrestres vai da aversão inicial que sua aparência nos causa (são muito feias as criaturas que aparecem no vídeo) à afeição gerada pelo sentimento de que a injustiça que lhes é cometida não é algo certo.

Para aproximar ainda mais o espectador das feias criaturas, Distrito 9 usa o fantástico recurso narrativo de mostrar um ser humano que é contaminado por uma substância que aos poucos o transformará em um extraterrestre. Aqui vemos que, do dia para a noite, tudo o que mais amamos pode se perder. No caso do personagem, é sua humanidade que entra em um jogo cuja vitória ele sabe difícil.

Perseguido e isolado de seus iguais, só lhe resta fazer amizade com os mesmo ‘camarões’ que ele próprio perseguia quando trabalhava para o governo em uma missão que queria tirar os alienígenas do Distrito 9 e transferí-los para o interior do país.

Esquecido entre os indicados os Oscar deste ano, Distrito 9 é um desses filmes que te faz parar um pouco e refletir sobre a vida antes mesmo de desligar a televisão.

Download: http://filmescomlegenda.net/fcl/filmes/distrito-9-district-9-2009/

Texto escrito e publicado no site Vereda Estreita! http://veredaestreita.org/