Tag Archive | Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Veja quais filmes estão na repescagem da 34ª Mostra de SP

A 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo terminou ontem (04), mas os cinéfilos ainda podem ver os filmes mais badalados do evento neste final de semana. A programação da repescagem inclui vários pré-candidatos a uma vaga no Oscar de melhor filme estrangeiro, como o tailandês ‘Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas’ e o venezuelano ‘Hermano’.
Leia mais:
Confira os destaques da 34ª Mostra de Cinema de São Paulo

Confira a lista completa dos filmes que serão exibidos nesta sexta (05), sábado e domingo durante a repescagem:

Sexta-feira (5)

Cinemateca Sala BNDES
14h – “Hermano”, de Marcel Rasquin , Venezuela
15h50 – “Antonioni sobre Antonioni”, de Carlo di Carlo, Itália
17h30 – “China”, de Michelangelo Antonioni, Itália
21h15 – Memórias de Xangai, de Jia Zhang Ke, China

Cine Livraria Cultura 1
14h – “Sou terrorista”, de Valérie Gaudissart, França
16h – “Abel”, de Diego Luna, México
17h50 – “A árvore”, de Julie Bertucelli, França/Austrália
19h50 – “Rosa morena”, de Carlos Oliveira (95′), Brasil/Dinamarca
21h50 – “A valsa das flores”, de Alyona Semenova, Alexander Smirnov, Rússia
23h50  – “Howl”, de Rob Epstein, Jeffrey Friedman, EUA

Cinesesc
14h – “Até o fim do mundo – director’s cut”, de Wim Wenders, Alemanha/França/Austrália
18h50 – “Uma carta para Elia”, de Martin Scorsese, Kent Jones, EUA
20h10 – “Jardim sonoro”, de Nicola Bellucci, Suíça
21h50 – “Pense global, aja rural”, de Coline Serreau
24h – “Submarino”, de Thomas Vinterberg, Dinamarca

Sábado (6)

Cinemateca – Sala BNDES
14h – “Como eu terminei este verão”, de Alexei Popogrebsky, Rússia
16h30 – “Howl”, de Rob Epstein, Jeffrey Friedman, EUA
18h20 – “Submarino”, de Thomas Vinterberg (110′), Dinamarca
20h30 – “Em um mundo melhor”, de Susanne Bier, Dinamarca

Cine Livraria Cultura 1
14h – “Bugsy Malone – quando as metralhadoras cospem”, de Alan Parker, Reino Unido
15h50 – “Pink Floyd The Wall”, de Alan Parker (95′), Reino Unido
17h50 – “O mágico”, de Sylvain Chomet, França/Inglaterra
19h30 – “Beyond”, de Pernilla August, Suécia/Finlândia
21h30 – “José & PIlar”, de Miguel Gonçalves Mendes, Brasil/Portugal/Espanha
24h – “Caterpillar”, de Koji Wakamatsu, Japão

Cine Livraria Cultura 2
14h – “Me alugo para sonhar – parte 1”, de Ruy Guerra, Cuba
16h – “Me alugo para sonhar – parte 2”, de Ruy Guerra, Cuba
18h – “Me alugo para sonhar – parte 3”, de Ruy Guerra, Cuba
20h – “Michel Ciment, a arte de partilhar filmes”, de Simone Lainé, França

Cinesesc
14h – “A vala”, de Wang Bing, França/Bélgica
16h10 – “Mistérios de Lisboa”, de Raúl Ruiz, Portugal
20h50 – “Quando partimos”, de Feo Aladag, Alemanha
23h10 – “Balibo”, de Robert Connolly, Austrália/Timor Leste

Domingo (7)

Cinemateca – Sala BNDES
14h – “Outubro”, de Daniel Vega, Diego Vega, Peru/Espanha/Venezuela
15h40 – “Meninos de Kichute”, de Luca Amberg, Brasil
17h40 – “Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”, de Apichatpong Weerasethakul, Tailândia
19h30 – “Minha felicidade”, de Sergei Loznitsa, Alemanha/Ucrânia/Holanda
22h – “Almas silenciosas”, de Aleksei Fedorchenko, Rússia

Cine Livraria Cultura 1
14h – “Submarino”, de Thomas Vinterberg, Dinamarca
16h10 – “Carlos”, de Olivier Assayas, França/Alemanha
22h – “Os dois escobares”, de Jeff Zimbalist, Michael Zimbalist, Colômbia/EUA

Cinesesc
14h – “A vala”, de Wang Bing, França/Bélgica
16h10 – “Sem medo – as canções de Luciano Ligabue”, de Piergiorgio Gay, Itália
18h – “O samba que mora em mim”, de Georgia Guerra-Peixe
19h40 – “Lixo extraordinário”, de Lucy Walker, João Jardim e Karen Harley, Brasil/Inglaterra
21h40 – “Howl”, de Rob Epstein, Jeffrey Friedman, EUA

Serviço:
Onde:
Cinemateca Brasileira. Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Clementino; Cinesesc. Rua Augusta, 2075. Cerqueira César; Cine Livraria Cultura. Avenida Paulista, 2073 – Conjunto Nacional. São Paulo-SP
Quando: até domingo (07)
Quanto: R$ 18 (R$ 9 a meia)

Nota escrita e publicada hoje no Portal da RedeTV.

Anúncios

34ª Mostra de SP começa exibições online nesta segunda

A 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo começou na última sexta-feira (22) e nesta segunda (25) dá início à sua programação online. Será a segunda vez que a Mostra disponibiliza alguns filmes para “sessões online”: as primeiras 500 pessoas que acessarem o site MUBE, parceiro da Mostra, poderam ver alguns filmes que já foram exibidos em salas do circuito da programação online, em streaming (sem download).

Leia mais sobre a Mostra:
Confira os destaques da 34ª Mostra de Cinema de São Paulo
34ª Mostra de Cinema de SP começa a vender pacotes no sábado
34ª Mostra de São Paulo terá candidatos ao Oscar 2011

No coletiva de abertura do evento, o organizador da Mostra Leon Cakoff lembrou que a iniciativa “oferece uma sala a mais para o filme” – por isso que há um limite para o número de acessos. Todos os filmes exibidos online terão legendas e não há custo para aproveitar a programação.

No ano passado, a Mostra testou a iniciativa – inédita no mundo – pela primeira vez e permitia 300 acessos para cada filme. Este ano o número de acessos foi expandido para 500 por filme. As “sessões online”, listadas AQUI, acontecem depois da última exibição do filme na programação da 34ª Mostra.

Para assistir basta acessar o site MUBE.

Nota escrita e publicada hoje no Portal da RedeTV.

Alguns destaques da #MostraSP

Confira os destaques da 34ª Mostra de Cinema de São Paulo

A 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo abre nesta quinta-feira (21), para convidados, com o longa ‘O Estranho Caso de Angélica’, do cineasta centenário Manoel de Oliveira (que completa 102 anos em dezembro).

Na sexta (22) começa a correria para os cinéfilos. Serão mais de 400 filmes exibidos em 15 dias em 20 cinemas e espaços culturais.

O RedeTVi selecionou alguns destaques da programação. Os filmes passam em diversas sessões pela cidade. A programação completa está disponível no site do evento.

Podem disputar o Oscar de Filme Estrangeiro:
– Alemanha, ‘Quando partimos’, de Feo Aladag;
– Algéria, ‘Fora da lei’, de Rachid Bouchareb;
– Bósnia, ‘Circus Columbia’, de Danis Tanovic;
– Costa Rica, ‘Do amor e outros demônios’, de Hilda Hidalgo;
– Dinamarca, ‘Em um mundo melhor’, de Susanne Bier;
– Etiópia, ‘O atleta’, de Davey Frankel e Rasselas Lakew;
– França, ‘Homens e deuses’, de Xavier Beauvois;
– Geórgia, ‘Dias violentos’, de Levan Koguashvili;
– Islândia, ‘Mamma Gogo’, de Fridrik Thor Fridriksson;
– Índia, ‘Peepli ao vivo’, de Anusha Rizvi;
– Itália, ‘A primeira coisa linda’, de Paolo Virzi;
– Macedônia, ‘Mães’, de Milcho Manchevski;
– Noruega, ‘The angel’, de Margreth Olin;
– Quirguistão, ‘O ladrão de luz’, de Aktan Arym Kubat;
– Polônia, ‘Tudo que amo’, de Jacek Borcuch;
– República Tcheca, ‘A rosa de Kawasaki’, de Jan Hrebejk;
– Romênia, ‘Se eu quiser assobiar, eu assobio’, de Florin Serban;
– Tailândia, ‘Tio Boonmee, que pode recordar vidas passadas’, de Apichatpong Weerasethakul;
Premiado com a Palma de Ouro de Cannes e que também foi destaque no Festival do Rio.
– Venezuela, ‘Hermano’, de Marcel Rasquin.

Destaques nos festivais internacionais:
– ‘O Estranho Caso de Angélica’, de Manoel de Oliveira
Abriu a sessão Un Certain Regard no Festival de Cannes.
– ‘Cópia Fiel’, de Abbas Kiarostami, com Juliette Binoche
Juliette Binoche o prêmio de melhora atriz no Festival de Cannes. Previsão de lançamento: 18 de março de 2011.
– ‘Octubre’, de Daniel e Diego Veja
Venceu o prêmio Un Certain Regard no Festival de Cannes deste ano.

Os mais procurados no Festival do Rio na Mostra:
– ‘Você vai conhecer o homem dos seus sonhos’, de Woody Allen
É Woody Allen: estará lotado. Estreia: 26 de Novembro
– ‘Um Lugar Qualquer’, de Sofia Coppola
Grande vencedor do Leão de Ouro em Veneza
– ‘José e Pilar’, de Miguel Gonçalvez Mendes
Conta a vida de José Saramago como se fosse um reality show. Estreia: 5 de Novembro
– ‘Minhas mães e meu pai’, de Lisa Cholodenko
– ‘Viúvas sempre as quintas’, de Marcelo Piñeyro

Descobertas e destaques do Festival do Rio:
– ‘Machete’, de Robert Rodriguez.
Traz Lindsay Lohan ao lado de Robert De Niro e Steven Seagal. Estreia: 12 de novembro
– ‘Turnê’, de Mathieu Amalric,
– ‘Bebês’, de Thomas Balmes
– ‘O Louco Amor de Yves Saint Laurent’, de Pierre Thoretton
– ‘VIPs’, de Toniko Melo
Protagonizado por ninguém menos que Wagner Moura, levou os principais prêmio no Festival do Rio.
– ‘Boca do Lixo’, de Flavio Frederico
– ‘Elvis & Madona’, Marcelo Laffitte
Com viés homossexual, a comédia foi a vencedora do prêmio de melhor roteiro no Festival do Rio.
– ‘Diário de uma busca’, de Flávia Castro

Outros destaques:
– ‘Abel’, de Diego Luna
Estreia do ator mexicano de ‘E Sua Mãe Também’. Recorde de bilheteria no México.
– ‘Rosas a Crédito’, de Amos Gitai
Novo trabalho do cineasta israelende ‘O Dia Do Perdão’.
– ‘Filme do Desassossego’, de João Botelho
Interpreta a obra de Fernando Pessoa a partir de fragmentos do ‘Livro do Desassossego’.
– ‘Filme Socialismo’, de Jean-Luc Godard
O consagrado diretor francês volta à direção após seis anos.
– ‘Memórias de Xangai’, de Jia Zhang Ke
Elogiado em Cannes. Reconstrói a história recente da China a partir das memórias de 18 pessoas.
– ‘Até o Fim do Mundo’, de Wim Wenders – versão do diretor
Será exibida a versão do diretor, com 280 minutos.
– ‘Metrópolis’, de Fritz Lang
Será exibida uma versão restaurada do longa de 1927 e com 25 minutos de material inédito que estava perdido. Dia 24, às 20h, no auditório do Ibirapuera, com acompanhamento da orquestra Jazz Sinfônica.

Seleção preparada e publicada hoje no Portal da RedeTV.

34ª Mostra de São Paulo terá candidatos ao Oscar 2011

A 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que começa no próximo dia 22 e já está com seus pacotes e permanentes à venda em sua Central no Conjunto Nacional, terá 19 filmes que concorrem a uma vaga para disputar o Oscar de filme estrangeiro em sua programação.

Dos 65 pré-candidatos divulgados pela Academia de cinema norte-americana, um grande número de destaques poderam ser conferidos pelos cinéfilos paulistanos, como o tailandês ‘Tio Boonmee’, que venceu a Palma de Ouro de Cannes este ano, e o francês ‘Homens e deuses’, que levou o prêmio do juri de Cannes.

Apesar de antecipar algumas promessas, a Mostra, curiosamente, deixou de lado o candidato argentino na disputa, ‘Abutres’, de Pablo Trapero, que fez sucesso no Festival do Rio e tem estreia prevista nos cinemas brasileiros para o dia 3 de dezembro.

A lista dos indicados ao Oscar será divulgada no dia 25 de janeiro e a cerimônia acontece no dia 27 de fevereiro.

Confira a lista, por país, dos 19 títulos que podem disputar o Oscar e estarão em cartaz na 34ª Mostra:

– Alemanha, “Quando partimos”, de Feo Aladag;
– Algéria, “Fora da lei”, de Rachid Bouchareb;
– Bósnia, “Circus Columbia”, de Danis Tanovic;
– Costa Rica, “Do amor e outros demônios”, de Hilda Hidalgo;
– Dinamarca, “Em um mundo melhor”, de Susanne Bier;
– Etiópia, “O atleta”, de Davey Frankel e Rasselas Lakew;
– França, “Homens e deuses”, de Xavier Beauvois;
– Geórgia, “Dias violentos”, de Levan Koguashvili;
– Islândia, “Mamma Gogo”, de Fridrik Thor Fridriksson;
– Índia, “Peepli ao vivo”, de Anusha Rizvi;
– Itália, “A primeira coisa linda”, de Paolo Virzi;
– Macedônia, “Mães”, de Milcho Manchevski;
– Noruega, “The angel”, de Margreth Olin;
– Quirguistão, “O ladrão de luz”, de Aktan Arym Kubat;
– Polônia, “Tudo que amo”, de Jacek Borcuch;
– República Tcheca, “A rosa de Kawasaki”, de Jan Hrebejk;
– Romênia, “Se eu quiser assobiar, eu assobio”, de Florin Serban;
– Tailândia, “Tio Boonmee, que pode recordar vidas passadas”, de Apichatpong Weerasethakul;
– Venezuela, “Hermano”, de Marcel Rasquin.

Nota escrita e publicada hoje no Portal da RedeTV.

Esquenta #MostraSP

34ª Mostra de Cinema de SP começa a vender pacotes no sábado

Está dada a largada para a 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. A Central da Mostra já está estabelecida em seu ponto tradicional, no Conjunto Nacional, na Av. Paulista. Até dia 15 (sexta), o ponto serve apenas para oferecer informações aos possíveis espectadores e, a partir de sábado (16), começa a venda de pacotes permanentes e promocionais para as sessões da Mostra.

Este ano, a Mostra acontece entre os dias 22 de outubro a 4 de novembro e deve exibir mais de 400 filmes dos mais variados países em diversas salas de 20 espaços culturais. No dia 21, o evento terá sua abertura oficial com a exibição de ‘O Estranho Caso de Angélica’, no Auditório do Ibirapuera. Dirigido pelo cineasta português Manoel de Oliveira, que já tem 102 anos e estará presente no evento, o longa é uma coprodução da Mostra e abriu a seção Un Certain Regard, no Festival de Cannes deste ano.

Nesta 34ª Mostra, o público poderá conferir “um cartaz dupla face”, como brincou o organizador da Mostra Leon Cakoff durante coletiva de imprensa no último sábado (09), em referência aos dois posteres que serão utilizados este ano: um com uma fotos de Win Wenders e outro com um desenho de Akira Kurosawa. “Nós podíamos ter guardado um cartaz para o ano que vem, né?!”, completou Renata de Almeida, também responsável pela organização e seleção dos filmes em cartaz.

Junto com os filmes, a Mostra traz também eventos paralelos e inéditos. No dia 20 começa a exposição ‘Lugares estranhos e quietos’, inédita no mundo e que trará fotografias do cineasta alemão Wim Wenders, um dos homenageados deste ano. No dia 22 é a vez de Kurosawa receber sua homenagem, quando será inaugurada a exposição ‘Kurosawa – criando imagens para cinema’, que a Mostra promove em parceria com o Instituto Tomie Ohtake.

A Mostra terá ainda a exibição da cópia restaurada de ‘Metropolis’ (1927), clássico de Fritz Lang, que foi exibida pela primeira vez no Festival de Berlim deste ano, com 25 minutos de material inédito que foi encontrado no Museu do Cinema de Buenos Aires, em julho de 2008. Além da exibição do inédito ‘Mistérios de Lisboa‘, minissérie portuguesa dirigida por Raúl Ruiz e baseada em um romance de Camilo Castelo Branco.

Este ano haverá ainda a integração da programação da Mostra com a da Bienal de São Paulo. Pela primeira vez, dois grandes eventos do cenário artístico-cultural de São Paulo se integram no terreiro ‘A pele do invisível’, projetado pelo artista esloveno Tobias Putrih para funcionar como uma sala de cinema. Os filmes selecionados pela 34ª Mostra serão apresentados em três sessões diárias.

Serviço:
Central 34ª Mostra no Conjunto Nacional
Onde: Av. Paulista, 2073
Quando: de 11 a 15 de outubro, das 12h às 18h para informações; e de 16 de outubro a 04 de novembro, das 10h às 21h, para credenciamento e vendas de pacotes
Quanto: Permanentes e pacotes promocionais (a venda na Central da Mostra, que não vende ingressos avulsos, apenas os pacotes)
Permanente Integral – R$ 390,00
Permanente Integral Folha (15% de desconto para o titular da assinatura) – R$ 331,50
Permanente Especial – R$ 90,00
Permanente Especial Folha (15% de desconto para o titular da assinatura) – R$ 76,50
Pacote de 40 – R$ 285,00
Pacote de 20 – R$ 165,00
Individuais (nas bilheterias dos cinemas e também pelo site ingresso.com)
Segunda a quinta: R$ 14,00 (inteira) e R$ 7,00 (meia)
Sexta, sábado e domingo: R$ 18,00 (inteira) e R$ 9,00 (meia)
As sessões nas salas do Centro Cultural São Paulo, do Cine Olido, do CEU Perus, do MIS (Museu da Imagem e do Som), da Matilha Cultural, do vão-livre do Masp e as sessões da juventude do Cine Livraria Cultura serão gratuitas.

Matéria escrita e publicada terça-feira (12) no Portal da RedeTV.

Então, isso é a Paulista

Posted on 11/dezembro/2008 by Cinéfilos

Se cada cidade tem seus encantos, a Av. Paulista é um dos encantos de São Paulo. Nada mais paulistano que a correria de ternos e saltos altos pela manhã, no horário de almoço ou a calma com que tais ternos e saltos voltam para suas casas, cansados no final das tardes cinza-alaranjadas. Alguns rostos procuram conforto (e consolo) nos cinemas que se espalham por este que já é um eixo típico (e manjado até, eu diria!) do circuito cultural paulistano.

Avenida PaulistaA Paulista já teve cinemas para todos os gostos, hoje anda mais “cult” (ou pseudo-cult, como diria um amigo meu). Vindo da Consolação, temos logo na esquina com a Paulista o HSBC Belas Artes, um cinema simpático, com uma programação que valoriza o cinema nacional e europeu, voltada principalmente aos avessos ao cinemão norte-americano. Ali é muito comum ver estudantes com roupas peculiares, um jeito esquisito e um rosto que pode ser familiar.

Quem já tiver visto todos os filmes em cartaz por aqui, pode se arriscar no Cine Bombril, pertinho, alguns quarteirões à frente, no Conjunto Nacional, ou no Espaço Unibanco, na R. Augusta. A programação destes três cinemas não difere muito e seu público é praticamente o mesmo, escolhido principalmente pelo bolso. Devido às simpáticas promoções, Belas Artes e Esp. Unibanco atraem muitos estudantes, que freqüentam o primeiro às segundas e quartas, por R$4 (meia), e o segundo às quintas por R$2,5. Os outros cinemas na Paulista são em geral mais caros, com ingressos chegam a R$19 (inteira) no final de semana.

Se o passeio à Paulista em busca de um filme não foi bem sucedido até aqui, não desista! Ainda restam a Reserva Cultural, o Gemini (lembra dele?) e o Shopping Paulista (sim, ele tem um cinema). A Reserva segue a mesma linha dos anteriores, com o agravante de que é o cinema mais caro (e o mais sofisticado) da Paulista, o único que não vende pipoca (sua bomboniere é muito mais refinada do que estas coisinhas barulhentas). No Gemini esta sua chance de ver na telona aquele filme que já saiu em dvd. Sua última chance. Não é a melhor opção, o estado deste que deve ser um dos últimos exemplares do antigos cinemas não é dos melhores nem o ingresso dos mais baratos. O preço é normal (R$12 a R$16), mas para o estado do cinema, abusivo.

Se você não gosta de filmes nerds, cults, odeia cinema europeu e aqueles filmes ditos “de arte”, sua única chance na região esta no Shopping Paulista, que em breve ganhará salas de cinema descentes, da rede Cinemark . Das antigas salas de cinema, atualmente apenas duas estão funcionando (já foram 4). Mesmo quando criança, esta repórter que vos fala nunca gostou de ver desenhos nas telas deste shopping, o som é muito ruim, e fica difícil entender o que os personagens falam. Aguardemos para ver o futuro complexo multiplex.

Todo ano, durante a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o vão livre do MASP também vira sala de cinema; os barulhos da avenida e as buzinas dos carros incomodam um pouco, mas a vista é impecável. Nosso cartão postal vale dois quilômetros de caminhada, mesmo para um paulistano cansado, que sempre se delicia com as luzes de natal da tão querida avenida.

Republicado neste blog em 14/06/2011 – atribui uma data aleatória apenas para manter o texto aqui como registro, já que este blog ainda não existia na data de publicação do texto acima. O site Cinéfilos, projeto da Jornalismo Júnior, empresa júnior de jornalismo da ECA-USP, agora está hospedado no http://cinefilos.jornalismojunior.com.br/.

Não se engane pela alegre melodia

Posted on 10/novembro/2008 by Cinéfilos

Uma divertida animação e uma música conhecida do público abrem Leonera, novo filme de Pablo Trapero (Família Rodante): a bola do menino na casa na rua na cidade que por fim termina no universo que contém todo o cenário nos remonta de volta aos tempos de infância. leonera_cartaz1A brincadeira representada na animação e as vozes das crianças abrem para um cenário triste que nos chama de volta à realidade: Julia (Martina Gusman) acorda assustada e ensangüentada em seu quarto com o cadáver de seu namorado e o amante deste, Ramiro (Rodrigo Santoro, em breve atuação), desacordado.

Grávida, a moça é levada para a ala especial de uma penitenciária feminina onde terá direito a permanecer com seu filho até ele completar quatro anos. Neste ambiente, Trapero nos mostra as mazelas da sociedade argentina (e global como um todo, pensando em um plano maior): temas como o abandono a que as moças e seus filhos são submetidos, o descaso por parte de familiares e do Estado, as mentiras e armações dos advogados e julgamentos e as relações interpessoais são discutidos pelo filme sem cair nas afetações e desnecessários clichês que muitos dramas do gênero carregam consigo.

O filme não deixa claro quem foi o verdadeiro responsável pelo assassinato, se Julia ou Ramiro, ele nos fornece as versões de ambos e nos deixa escolher em qual lado acreditar. Tendemos a sentir compaixão pela mãe que, no começo do filme, se vê sozinha e com o filho como única companhia. Atordoada e confusa na nova vida – encarar o desafio de ser mãe e cuidar de um bebê na prisão – Julia se abriga na amizade (e no afeto) com sua vizinha de cela para manter-se saudável nos momentos em que se abandonada e traída até pela própria mãe.

Leonera, em espanhol, é o lugar onde se mantém os leões. Neste caso, as leoas são mantidas em uma espécie de creche que mistura a alegria das crianças que brincam nas grades acinzentadas da melancólica prisão. Trapero soube mesclar neste filme as criticas à sociedade e a beleza nos gestos de verdadeira amizade e amor maternal. As músicas, muitas delas com temas infantis, ajudam a completar o quadro deste retrato social que Leonera desenha em suavidade e delicadeza.

Republicado neste blog em 14/06/2011 – atribui uma data aleatória apenas para manter o texto aqui como registro, já que este blog ainda não existia na data de publicação do texto acima. O site Cinéfilos, projeto da Jornalismo Júnior, empresa júnior de jornalismo da ECA-USP, agora está hospedado no http://cinefilos.jornalismojunior.com.br/.

Sob o espartilho da nobreza

Posted on 29/outubro/2008 by Cinéfilos2 comentários

Em destaque, as belas paisagens da Inglaterra, os figurinos e perucas e a ousadia de uma das mulheres mais influentes da sociedade inglesa do século XVIII. A Duquesa (The Duchess), filme estrelado por Keira Knightley, retrata a vida de Georgiana Cavendish, a Duquesa de Devonshire, suas desventuras familiares eamorosas, seu envolvimento com a política e, como contexto e pretexto para a ação principal, a Inglaterra, seus costumes e conservadorismos.

Aos 17 anos, a jovem e bela Georgiana casa-se com Sir William Cavendish, 5º Duque de Devonshire (Ralph Fiennes), um homem seco e distante cujo único interesse no casamento é ter um herdeiro. Os castelos da Inglaterra oprimem a moça dentro de casa, que tem uma relação fria e distante com o marido, e a glorificam nos salões da nobreza onde brilha com seu encanto e os belos vestidos.

Inspirado na biografia da Duquesa, o filme retrata a vida de uma socialite à frente de seu tempo: no final do século XVIII, Georgiana apoiou o Partido Liberal em comícios públicos apesar das mulheres não terem direito de voto na época, além de desafiar as convenções sexuais e matrimoniais. Tendo demorado para ter um filho homem, a distância em seu casamento só fez aumentar, chagando ao ponto de William se envolver com a amiga de sua esposa, Lady Elizabeth Foster e viverem os três sobre um mesmo teto. À traição do marido, a duquesa respondeu no mesmo tom, apesar de não guardar mágoas do esposo com sua amante.

A fotografia dos belos campos e castelos da Inglaterra, aliada aos figurinos desta superprodução, disfarçam a má interpretação de Keira Knightley no papel principal, que parece interpretar sem o mesmo papel em filmes de época (como em Orgulho e Preconceito ou Desejo e Reparação). Já o britânico Ralph Fiennes brilha em sua interpretação do cruel duque e nos faz esquecer de sua simpatia, convencendo o espectador da crueldade e frieza do nobre William. Keira, aqui, só não é pior que a falsa barriga com que tentaram envelhecer Fiennes.

Serviço

Na 32ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o filme passa pela última vez nesta quarta-feira, dia 29, às 13h, na sala 1 do Reserva Cultural.

Republicado neste blog em 14/06/2011 – atribui uma data aleatória apenas para manter o texto aqui como registro, já que este blog ainda não existia na data de publicação do texto acima. O site Cinéfilos, projeto da Jornalismo Júnior, empresa júnior de jornalismo da ECA-USP, agora está hospedado no http://cinefilos.jornalismojunior.com.br/.

Por uma vida mais consciente

Posted on 27/outubro/2008 by Cinéfilos1 comentário

De volta à telas de cinema, o diretor Wim Wenders apresentou Palermo Shooting ao público da 32ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Seu novo filme é um tributo a dois grandes mestres do cinema: Michelangelo Antonioni e Ingmar Bergman, que morreram no mesmo dia, em 30 de julho de 2007, e antes do término das filmagens de Palermo.

O filme tem como personagem principal um fotógrafo, assim como Depois daquele beijo, 1966, de Antonioni, que irá de encontrar com a Morte, tal qual o cavaleiro de Bergman em O Sétimo Selo, de 1956. Finn Gilbert (Campino) é um fotógrafo e professor universitário que vai à pequena cidade de Palermo, na Itália, em busca de calma e sentido para a vida vazia que leva na Alemanha.

No ápice de suas insônias e confusôes mentais, Finn sofre um acidente que poderia tê-lo matado e começa a repensar sua vida e o que fez dela até então. Usando um ensaio fotográfico como pretexto, vai à Palermo para longas férias. Ali, o fotógrafo se encontra com a Morte diversas vezes durante o desenrolar da trama. Em seus passeios pela pequena cidade, fotografa o interessante à sua volta, é evitado por uma tímida ovelha e conversa com uma fotógrafa que retrata a morte e a transitoriedade das cenas, objetos e pessoas.

Ainda dominado pela dificuldade em dormir, Finn adormece em um local público e é desenhado por Flavia (Giovanna Mezzogiorno), uma moça que trabalha na restauração de um quadro no Museu de Arte da cidade. O jovem acredita estar sendo atacado por um arqueiro que deseja matar-lhe e confia sua história à Flavia, única a acreditar no rapaz devido ao longo contato com o quadro “O Triunfo da Morte em Palermo”, que retrata justamente a morte, sem face, como cavaleiro(a) e arqueiro(a).

Mais dinâmico que outros filmes de Wenders, Palermo Shooting reflete sobre os valores que atribuímos à vida e morte, esta última sempre vista como vilã, sobre a fotografia, as novas tecnologias e a sociedade da imagem na qual vivemos. Em algumas cenas, a citação a pensadores como Jorge Luis Borges e José Saramago é bastante clara e Wenders defender muito bem suas idéias nas falas de seus personagens.

A fotografia e a trilha sonora merecem destaque a parte: Finn é viciado em fones de ouvido e, em muitas cenas, a música pára, aumenta ou abaixa de acordo coma atitude do fotógrafo em relação aos fones. A escolha das músicas também foi muito bem pensada, harmonizando com a velocidade ou não das cenas. A grande maioria deste longa se desenvolve em tons escuros. No campo, mais calmo e próximo de Flavia, a fotografia abre para lindas cenas da paisagem italiana, em oposição ao cinza da Alemanha em que o jovem Finn vivia.

Na Mostra de Cinema de São Paulo, o filme será exibido pela última vez hoje (27), às 19h50, na sala 2 do HSBC Belas Artes (R. da Consolação, 2.423, tel. (11) 3258-4092). O ingresso custa R$7 e vale a fila!

Republicado neste blog em 14/06/2011 – atribui uma data aleatória apenas para manter o texto aqui como registro, já que este blog ainda não existia na data de publicação do texto acima. O site Cinéfilos, projeto da Jornalismo Júnior, empresa júnior de jornalismo da ECA-USP, agora está hospedado no http://cinefilos.jornalismojunior.com.br/.

O rumo dos EUA visto pelos Irmãos Coen

Posted on 23/outubro/2008 by Cinéfilos3 comentários

Assistir ao novo longa dos irmãos Coen nesta 32ª edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo não foi tarefa fácil. Super badalado, o filme lotou as salas de cinema em todas as exibições que teve até agora (fato que deve se repetir em sua última exibição na Mostra, que acontece amanhã). Queime depois de Ler (Burn after reading – intelligence is relative) é garantia de sucesso para os diretores, boas risadas para o espectador e vale todas as filas que você enfrentará se quiser vê-lo antes de sua estréia nos cinemas brasileiros, prevista para o dia 28 de novembro deste ano.

O enredo usado para o longa poderia cair em um filme qualquer de ação, bandidos e policiais que você já viu tantas vezes, mas não nas mãos desta dupla de diretores e roteiristas. Segundo algumas sinopses, este filme retrata um ex-agente da CIA que começa a escrever suas memórias com importantes detalhes sobre a agência e a ação se desenrola no momento em que as informações caem nas mãos de “dois inescrupulosos funcionários de uma academia de ginástica que tentarão ganhar com isso, vendendo as informações.”

Uma sinopse assim afasta qualquer espectador! Olhando de maneira simplista é exatamente isto que ocorre no filme, com o detalhe de que os tais funcionários da academia não são nem espertos, nem malvados o suficiente para serem tachados de inescrupulosos. Suas atuações (e não só dos atores, mas o papel que os personagens representam) são mais cômicas do que qualquer outra coisa. Estes são Linda Litzke (Frances McDormand) e Chad Feldheimer (Brad Pitt), o núcleo desencadeador de toda a ação que gira em torno da atrapalhada perseguição destes dois ao ex-agente Osbourne Cox (John Malkovich, em ótima atuação).

Queime depois de Ler é, antes de qualquer outra coisa, um retrato da sociedade dos EUA e das paranóias que o povo norte-americano criou e com as quais ele não sabe lidar. Muitas destas paranóias não dizem respeito apenas a um fator local, mas são perceptíveis em qualquer país, o que permite ao filme extrapolar as fronteiras de sua língua e localidade, para levar a uma reflexão de fatores globais como o terrorismo, as bipolaridades políticas, a busca pela beleza a qualquer custo, a segurança e as liberdades individuais.

Toda a trama começa por que Linda, uma moça que se acha feia, quer fazer cirurgias de alto custo que seu convênio não cobre. Em sua busca desesperada pela verba necessária à realização de seu plano de beleza, ela envolverá desde seu inocente e caricato amigo Chad até o paranóico Harry Pfarrer, agente de segunrança brilhantemente interpretado por Georgie Clooney.

Da inocência de Linda e Chad aos inescrupulosos agentes da inteligência nacional norte-americana, Ethan e Joel Coen construíram um retrato que se assemelha a Onde os Fracos não tem vez. Com bom humor, ironia e uma pitada de maldade, o espectador se vê na tela e pode questionar as mazelas de uma sociedade decadente e em busca de um rumo para o futuro.

Nota: a estréia do filme em São Paulo foi confirmada para o dia 28/11/2008, em grande circuito.

Republicado neste blog em 14/06/2011 – atribui uma data aleatória apenas para manter o texto aqui como registro, já que este blog ainda não existia na data de publicação do texto acima. O site Cinéfilos, projeto da Jornalismo Júnior, empresa júnior de jornalismo da ECA-USP, agora está hospedado no http://cinefilos.jornalismojunior.com.br/.