Programação 1º sem 2015 – Casa do Saber

Chegou a brochura com a programação do semestre aqui na Casa do Saber. Muito orgulho participar da curadoria de cursos e grata pela oportunidade.

brochura cds

Anúncios

A Morte de Ivan Ilitch

Ao final da leitura, sobra uma estranha sensação de fragilidade. O perigo é bater em algum elemento banal e acabar morrendo disso, sendo também banal sua vida, como a de Ivan Ilitch, o personagem com o qual Tolstói perturba sua vida em 90 pequenas páginas nesta novela.

A morte é dada no título e logo no primeiro capítulo. Mas é em cada fonema agoniado que cresce o desconforto. Do personagem e do leitor. É da vida miserável de Ivan Ilitch que queremos fugir. Não por ter sido penosa, mas por sua banalidade.

O professor de Estudos Literários recomendou a leitura para uma sala composta em sua maioria por jovens de 17/18 anos. Talvez em alguns anos esquecem do que leram e venham a ser como o personagem, vivendo no limite do socialmente aceitável e – em último caso – morrendo disso.

Não sou muito mais velha que meus colegas de sala, mas fechei o livro pensando em tanta gente que conheço, com uma tristeza que me fez querer escrever este post e recomendar a leitura da novela. São poucas páginas nas quais Ivan é cada um que se deixa morrer aos poucos. E dá medo de ser como ele.

Show Chico Buarque

Hoje uma amiga me perguntou como foi o show do Chico. Só soube dizer que foi bom, que ele é tímido no palco e só consegui citar três músicas pelo nome. Mas a pergunta me deu vontade de buscar (e guardar) o setlist. Não sei se está certinho, mas vários sites apontam este como o setlist da turnê (e várias músicas conferem com as do show do dia 7/04, então fico com ele – o vídeo também não é do show específico no qual estive, mas até o figurino é o mesmo). E AQUI uma playlist do youtube com alguns vídeos de bastidores e músicas do show.

Setlist do show:

– Velho Francisco (Chico Buarque) – 1987
– De Volta ao Samba (Chico Buarque) – 1993
– Desalento (Vinicius de Moraes / Chico Buarque) – 1970
– Injuriado (Chico Buarque) – 1998
– Querido Diário (Chico Buarque) – 2011
– Rubato (Jorge Helder / Chico Buarque) – 2011
– Choro Bandido (Edu Lobo / Chico Buarque) – 1985
– Essa Pequena (Chico Buarque) – 2011
– Tipo um Baião (Chico Buarque) – 2011
– Se Eu Soubesse (Chico Buarque) – 2011
– Sem Você 2 (Chico Buarque) – 2011
– Bastidores (Chico Buarque) – 1980
– Todo o Sentimento (Cristóvão Bastos / Chico Buarque) – 1987
– O meu Amor/Teresinha (Chico Buarque) – 1977-1978 / 1977-1978
– Ana de Amsterdan (Ruy Guerra / Chico Buarque) – 1972-1973
– Anos Dourados (Tom Jobim / Chico Buarque) – 1986
– Sob Medida (Chico Buarque) – 1979
– Nina (Chico Buarque) – 2011
– Valsa Brasileira (Edu Lobo / Chico Buarque) – 1987-1988
– Geni e o Zepelin (Chico Buarque) – 1977-1978
– Barafunda (Chico Buarque) – 2011
 Sou Eu (Ivan Lins / Chico Buarque) – 2009
– Tereza da Praia (Tom Jobim / Billy Blanco) – 1954
– A Violeira (Tom Jobim / Chico Buarque) – 1983
– Baioque (Chico Buarque) – 1972
Citação: My Mammy (Walter Donaldson / Joe Young e Sam M. Lewis) – 1918
– Cálice (Gilberto Gil / Chico Buarque) – 1973
– Sinhá (João Bosco / Chico Buarque) – 2011

Bis:

– A Felicidade
– Futuros Amantes
– Na Carreira

Gosto bastante do disco novo. Achei o show um pouco mais animado que o do disco “Carioca”, em 2006 – Chico Buarque nunca é animado no palco, é tímido e acanhado, fica sem graça com as senhoras chamando-o de lindo. Mas Chico é Chico e não precisa fazer nada para emocionar no palco.

Vencedores SAG Awards

CINEMA

MELHOR ELENCO DE CINEMA
Missão Madrinha de Casamento
“O Artista”
Os Descendentes
“Histórias Cruzadas”
Meia-Noite em Paris

MELHOR ATOR DE CINEMA
George Clooney (“Os Descendentes“)
Demian Bichir (“A Better Life”)
Leonardo DiCaprio (“J. Edgar“)
Jean Dujardin (“O Artista”)
Brad Pitt (“O Homem que Mudou o Jogo”)

MELHOR ATRIZ DE CINEMA
Michelle Williams (“Sete Dias com Marilyn”)
Glenn Close (“Albert Nobbs”)
Viola Davis (“Histórias Cruzadas”)
Meryl Streep (“A Dama de Ferro”)
Tilda Swinton (“Precisamos Falar sobre o Kevin“)

MELHOR ATOR COADJUVANTE DE CINEMA
Nick Nolte (“Guerreiro”)
Kenneth Branagh (“Sete Dias com Marilyn”)
Armie Hammer (“J. Edgar“)
Jonah Hill (“O Homem que Mudou o Jogo”)
Christopher Plummer (“Toda Forma de Amor”)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE DE CINEMA
Octavia Spencer (“Histórias Cruzadas”)
Berenice Bejo (“O Artista”)
Jessica Chastain (“Histórias Cruzadas”)
Melissa McCarthy (“Missão Madrinha de Casamento“)
Janet McTeer (“Albert Nobbs”)

MELHOR ELENCO DE DUBLÊS EM CINEMA
Os Agentes do Destino
Cowboys & Aliens
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2
Transformers: O Lado Oculto da Lua
X-Men: Primeira Classe

TV

MELHOR ELENCO DE DUBLÊS EM SÉRIE DE TV
“Dexter”
“Game of Thrones”
“Southland”
“Spartacus: Gods of the Arena”
“True Blood”

MELHOR ELENCO DE SÉRIE DRAMÁTICA
“Boardwalk Empire”
“Breaking Bad”
“Dexter”
“The Good Wife”
“Game of Thrones”

MELHOR ELENCO DE SÉRIE CÔMICA
“Modern Family”
“30 Rock”
“Glee”
“The Big Bang Theory”
“The Office”

MELHOR ATOR DE SÉRIE DRAMÁTICA
Steve Buscemi (“Boardwalk Empire”)
Bryan Cranston (“Breaking Bad”)
Michael C. Hall (“Dexter”)
Patrick J. Adams (“Suits”)
Kyle Chandler (“Friday Night Lights”)

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE DRAMÁTICA
Julianna Margulies (“The Good Wife”)
Glenn Close (“Damages”)
Kathy Bates (“Harry’s Law”)
Jessica Lange (“American Horror Story”)
Kyra Sedgwick (“The Closer”)

MELHOR ATOR DE SÉRIE CÔMICA
Alec Baldwin (“30 Rock”)
Ty Burrell (“Modern Family”)
Steve Carell (“The Office”)
Jon Cryer (“Two and a Half Men”)
Eric Stonestreet (“Modern Family”)

MELHOR ATRIZ DE SÉRIE CÔMICA
Julie Bowen (“Modern Family”)
Edie Falco (“Nurse Jackie”)
Tina Fey (“30 Rock”)
Betty White (“Hot in Cleveland)
Sofia Vergara (“Modern Family”)

MELHOR ATOR DE MINISSSÉRIE OU TELEFILME
Laurence Fishburne (“Thurgood”)
Paul Giamatti (“Too Big to Fail”)
Greg Kinnear (“The Kennedys”)
Guy Pearce (“Mildred Pierce”)
James Woods (“Too Big to Fail”)

MELHOR ATRIZ DE MINISSÉRIE OU TELEFILME
Diane Lane (“Cinema Verite”)
Maggie Smith (“Downton Abbey”)
Emily Watson (“Appropriate Adult”)
Betty White (“The Lost Valentine”)
Kate Winslet (“Mildred Pierce”)

Lista retirada do UOL, reproduzo aqui para consultas futuras.

E os indicados ao Oscar 2012: http://omelete.uol.com.br/oscar/cinema/oscar-2012-filmes-indicados/

Vencedores Globo de Ouro 2012

A Folha publicou hoje esta lista de indicados e vencedores (em negrito) do Globo de Ouro 2012 com as datas ou previsões de estreia dos filmes aqui no Brasil. Republico por aqui para facilitar [minhas] buscas futuras.

 

CINEMA

FILME – DRAMA
“Os Descendentes” – 27 de janeiro
“Histórias Cruzadas” – 3 de fevereiro
“A Invenção de Hugo Cabret” – 17 de fevereiro
“Tudo pelo Poder” – em cartaz
“O Homem que Mudou o Jogo” – 3 de fevereiro
“Cavalo de Guerra” – em cartaz

ATRIZ – DRAMA
Glenn Close – “Albert Nobbs” – 2 de março
Viola Davis – “Histórias Cruzadas” – 3 de fevereiro
Rooney Mara – “Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres” – 27 de janeiro
Meryl Streep – “A Dama de Ferro” – 10 de fevereiro
Tilda Swinton – “Precisamos Falar Sobre o Kevin” – 27 de janeiro

ATOR – DRAMA
George Clooney – “Os Descendentes” – 27 de janeiro
Leonardo DiCaprio – “J. Edgar” – 27 de janeiro
Michael Fassbender – “Shame” – 2 de março
Ryan Gosling – “Tudo pelo Poder” – em cartaz
Brad Pitt – “O Homem que Mudou o Jogo” – 3 de fevereiro

FILME – COMÉDIA OU MUSICAL
“50%” – não definido
“The Artist” – 10 de fevereiro
“Missão Madrinha de Casamento” – saiu de cartaz
“Meia-Noite em Paris” – saiu de cartaz
“Sete Dias com Marilyn” – 10 de fevereiro

ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL
Jodie Foster – “Carnage” – 29 de junho
Charlize Theron – “Jovens Adultos”
Kristen Wiig – “Missão Madrinha de Casamento” – saiu de cartaz
Michelle Williams – “Sete Dias com Marilyn” – 10 de fevereiro
Kate Winslet – “Carnage” – 29 de junho

ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL
Jean Dujardin – “The Artist” – 10 de fevereiro
Brendan Gleeson – “O Guarda” – saiu de cartaz
Joseph Gordon-Levitt – “50%” – não definido
Ryan Gosling – “Amor a Toda Prova” – saiu de cartaz
Owen Wilson – “Meia-Noite em Paris” – saiu de cartaz

ANIMAÇÃO
“As Aventuras de Tintim” – 20 de janeiro
“Operação Presente” – saiu de cartaz
“Carros 2” – saiu de cartaz
“Gato de Botas” – em cartaz
“Rango” – saiu de cartaz

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
“The Flowers of War” (China) – não definido
“In The Land of Blood and Honey” (EUA) – não definido
“O Garoto da Bicicleta” (Bélgica) – em cartaz
“A Separação” (Irã) – 20 de janeiro
“A Pele que Habito” (Espanha) – em cartaz

ATRIZ COADJUVANTE
Berenice Bejo – “The Artist” – 10 de fevereiro
Jessica Chastain – “Histórias Cruzadas” – 3 de fevereiro
Janet McTeer – “Albert Nobbs” – 2 de março
Octavia Spencer – “Histórias Cruzadas” – 3 de fevereiro
Shailene Woodley – “Os Descendentes” – 27 de janeiro

ATOR COADJUVANTE
Kenneth Branagh – “Sete Dias com Marilyn” – 10 de fevereiro
Albert Brooks – “Drive” – 24 de fevereiro
Jonah Hill – “O Homem que Mudou o Jogo” – 3 de fevereiro
Viggo Mortensen – “Um Método Perigoso” – 23 de março
Christopher Plummer – “Toda Forma de Amor” – lançado em DVD

DIRETOR
Woody Allen – “Meia-Noite em Paris” – saiu de cartaz
George Clooney – “Tudo pelo Poder” – em cartaz
Michel Hazanavicius – “The Artist” – 10 de fevereiro
Alexander Payne – “Os Descendentes” – 27 de janeiro
Martin Scorsese – “A Invenção de Hugo Cabret” – 17 de fevereiro

ROTEIRO
“The Artist” – Michel Hazanavicius – 10 de fevereiro
“Os Descendentes” – Nat Faxon, Alexander Payne, Jim Rash – 27 de janeiro
“Tudo pelo Poder” – George Clooney, Grant Heslov, Beau Willimon – em cartaz
“Meia-Noite em Paris” – Woody Allen – saiu de cartaz
“O Homem que Mudou o Jogo” – Stan Chervin, Aaron Sorkin, Steven Zaillian – 3 de fevereiro

TRILHA SONORA
“The Artist” – Ludovic Bource – 10 de fevereiro
“W.E.” – Abel Korzeniowski – 30 de março
“Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres” – Trent Reznor, Atticus Ross – 27 de janeiro
“A Invenção de Hugo Cabret” – Howard Shore – 17 de fevereiro
“Cavalo de Guerra” – John Williams – em cartaz

CANÇÃO ORIGINAL
“Hello Hello” – “Gnomeu & Julieta” – saiu de cartaz
“The Keeper” – “Redenção” – saiu de cartaz
“Lay Your Head Down” – “Albert Nobbs” – 2 de março
“The Living Proof” – “Histórias Cruzadas” – 3 de fevereiro
“Masterpiece” – “W.E.” – 30 de março

 

TV

Melhor série de TV – drama
“American Horror Story”
“Boardwalk Empire”
“Boss”
“Game of Thrones”
“Homeland”

Melhor atriz em série de TV – drama
Claire Danes, “Homeland”
Mireille Enos, “The Killing”
Julianna Margulies, “The Good Wife”
Madeleine Stowe, “Revenge”
Callie Thorne, “Necessary Roughness”

Melhor ator em série de TV – drama
Steve Buscemi, “Boardwalk Empire”
Bryan Cranston, “Breaking Bad”
Kelsey Grammer, “Boss”
Jeremy Irons, “The Borgias”
Damian Lewis, “Homeland”

Melhor atriz – musical ou comédia
Laura Dern, “Enlightenment”
Zooey Deschanel, “New Girl”
Tina Fey, “30 Rock”
Laura Linney, “The Big C”
Amy Poehler, “Parks and Recreation”

Melhor ator – musical ou comédia
Alec Baldwin, “30 Rock”
David Duchovny, “Californication”
Johnny Galecki, “The Big Bang Theory”
Thomas Jane, “Hung”
Matt LeBlanc, “Episodes”

Melhor minissérie ou filme para TV
“Cinema Verite”
“Mildred Pierce”
“Downtown Abbey”
“Too big to fail”
“The Hour”
“Masterpiece”

Melhor atriz em minissérie ou filme para a TV

Romola Garai em “The Hour” (2011)
Diane Lane em Cinema Verite (2011)
Elizabeth McGovern em “Downton Abbey” (2010)
Emily Watson em “Appropriate Adult” (2011)
Kate Winslet em “Mildred Pierce” (2011)

Melhor ator – minissérie ou filme para TV
Hugh Bonneville em “Downton Abbey” (2010)
Idris Elba em “Luther” (2010)
William Hurt em “Too Big to Fail” (2011) (TV)
Bill Nighy em Page Eight (2011) (TV)
Dominic West em “The Hour” (2011)

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie ou filme para TV
Sofia Vergara, “Modern Family”
Jessica Lange, “American Horror Story”
Kelly Macdonald, “Boardwalk Empire”
Maggie Smith, “Downton Abbey”
Evan Rachel Wood, “Mildred Pierce”

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie ou filme para TV
Tim Robbins, “Cinema Verite”
Eric Stonestreet, “Modern Family”
Peter Dinklange, “Game of Thrones”
Paul Giamatti, “Too Big to Fail”
Guy Pearce, “Mildred Pierce”

Melhor série – musical ou comédia
“Enlightened”
“Episodes”
“Glee”
“Modern Family”
“New Girl”

Marcelo Jeneci e o show do Villa-Lobos

Achei muito bom o show de Marcelo Jeneci no Parque Villa-Lobos no último sábado (12). Conhecia apenas suas músicas mais famosas e adorei. Só não entendi porque a moça que canta com ele, Laura Lavieri, não leva os créditos em lugar algum.

No anúncio do show diziam apenas “Marcelo Jeneci com participação de Tulipa Ruiz”. No site oficial, nada. A moça não é backing vocal, ela gravou o disco e faz shows com ele, está até na capa do CD, mas não encontrei uma linha com seu nome no site oficial. Durante o show ele cita o nome, pede palmas, mas é como se ela fosse um dos membros da banda. Foi o melhor que encontrei: Marcelo Jeneci e banda. Me pareceu injusto. Laura Lavieri canta super bem e, sem sua participação, as músicas de Jeneci não seriam tão bonitas quanto são.

O vídeo, que achei no Youtube, está um pouco tremido, mas dá para ter uma ideia:

No clipe oficial de Felicidade, uma das músicas mais conhecidas de Jeneci, isso fica mais claro:

Nada disso desmerece o artista, é bom dizer, achei apenas injusto com a moça.

AQUI, uma entrevista legal com Jeneci sobre este seu primeiro disco, Feito pra Acabar.

Um Conto Chinês

“Um Conto Chinês” (Un Cuento Chino), dirigido por Sebastián Borensztein, é engraçado, com pitadas de drama e ótimas atuações. Darín nunca decepciona. O olhar de Ignacio Huang, o ator que interpreta o rapaz chinês, é muito forte e seu personagem cativa. E por mais tristes que sejam os personagens, você sai do cinema leve.

Eric Clapton em São Paulo

O show de Eric Clapton aqui em São Paulo foi muito bom! O som do Morumbi estava no volume certo, o pianista e as backing vocal eram ótimos.

Este post é mais para guardar a setlist da apresentação (no entanto, tentarei atualizá-lo)

1. “Going down slow”
2. “Key to the highway”
3. “Hoochie coochie man”
4. “Old love”
5. “Tearing us apart”
6. “Driftin’ blues”
7. “Nobody knows you when you’re down and out”
8. “Lay down Sally”
9. “When somebody thinks you’re wonderful”
10. “Layla”
11. “Badge”
12. “Wonderful tonight”
13. “Before you accuse me”
14. “Little Queen Of Spades”
15. “Cocaine”

Bis
16. “Crossroads”

Cheguei atrasada e tive o maior trabalho para chegar no Morumbi, mas a energia de um show em estádio é incrível. Eric Clapton não é muito falante e fez um show bastante sucinto, mas sensacional!

Texto do G1 sobre o show: http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2011/10/eric-clapton-fecha-turne-brasileira-com-show-para-45-mil-pessoas-em-sp.html

a máquina de fazer espanhóis, valter hugo mãe

Eu gostei tanto de “a máquina de fazer espanhóis”, do escritor português (nascido em Angola) valter hugo mãe, que ele praticamente atropelou o livro que li depois. Fato é que já terminei o tal livro, comecei um terceiro e ainda tive vontade de escrever alguma coisa sobre o romance português.

A trama de “a máquina de fazer espanhóis” me pegou logo de cara. Li o primeiro capítulo online (AQUI) e quis comprar o livro. A princípio, é um pouco estranho ler sem maiúsculas (que o autor não usou em seus 4 últimos romances), mas nos acostumamos e os personagens são tão bem elaborados e suas ideias tão boas que eu não quis me despedir do livro.

Meu pai tem uma teoria [com a qual concordo] de que o bom livro é aquele que você não quer terminar. Comigo e “a máquina de fazer espanhóis” foi assim. Passei cerca de um mês lendo o romance não porque ele fosse difícil ou chato, mas porque me dei ao direito de saborear a trama [depois de meses de livros lidos a toque de caixa]. E, ao final, chorei. Chorei como poucos livros ou filmes me fizeram chorar.

A narrativa se passa em torno do senhor antónio silva, o narrador-protagonista, que conhecemos já idoso e prestes a se tornar viúvo. Ele mescla episódios de sua vida com histórias do asilo para o qual se mudou após perder a esposa, fazendo com que vários outros senhores ganhem voz na trama – são a família que silva encontrou depois de velho. Assim, ao final, senti como se tivesse perdido vários avós queridos em umas poucas páginas, tamanha a intimidade que os personagens me criaram.

O escritor causou grande comoção na FLIP deste ano com esta [linda!] carta (o vídeo com a leitura está linkado neste post) e entrevistas com ele daquela época não faltam.

Alguns links interessantes:

– Resenha do Joca Reiners Terron sobre “a máquina de fazer espanhóis”: http://editora.cosacnaify.com.br/blog/?p=8710;
– Segundo capítulo do livro disponível para leitura online: http://editora.cosacnaify.com.br/ObraSinopse/11598/a-m%C3%A1quina-de-fazer-espanh%C3%B3is.aspx;
– Entrevista do autor ao caderno Prosa & Verso, d’O Globo: http://oglobo.globo.com/blogs/prosa/posts/2011/01/22/entrevista-com-valter-hugo-mae-convidado-da-flip-2011-358043.asp;
– Entrevista à TV Estadão: http://tv.estadao.com.br/videos,valter-hugo-mae-e-a-velhice-inspirada-pelo-pai,142206,253,0.htm;
– Resenha publicada no blog Meia Palavra: http://blog.meiapalavra.com.br/2011/06/28/a-maquina-de-fazer-espanhois-valter-hugo-mae/;
– Texto publicado no Estadão sobre “a máquina de fazer espanhóis”: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,o-caminho-salgado-de-um-pais-a-deriva,745587,0.htm;
– Entrevista em vídeo com Lourenço Mutarelli, que fez a imagem da capa e o texto de orelha da edição brasileira: http://editora.cosacnaify.com.br/ObraEntrevista/11598/93/a-m%C3%A1quina-de-fazer-espanh%C3%B3is.aspx.

A Árvore da Vida

Eu não entendi muito bem o filme (ou, para ser honesta, não entendi quase nada). Nem sei exatamente quem é o personagem do Sean Penn [o IMDB e todas as críticas dizem que ele é Jack, o filho mais velho da família retratada, mas eu não me lembro disto ter ficado claro – saí do cinema achando que ele pudesse ser o filho do meio].

Se alguém me perguntar, eu também não sei dizer ao certo sobre o que é a história. Mas achei “A Árvore da Vida” (The Tree of Life) um filme lindo.

Ontem fui ler sobre o filme, algo que não fiz antes de vê-lo [pois gosto de ir ao cinema meio às cegas, como já disse por aqui]. Gostei das críticas positivas do Último Segundo e do Zanin (do Estadão), embora me pergunte como eles perceberam algumas coisas.

Das críticas negativas que li, gostei desta frase do texto do Eduardo Escorel: “Quem quiser insistir e continuar assistindo “A árvore da vida” será premiado com a expressão de angústia de Sean Penn (provocada, talvez, por não saber o que está fazendo no filme).” [Mas discordo de todo o resto do texto]

A fotografia do longa é impecável e as relações familiares ali retratadas, tocantes – mesmo que alguns detalhes da trama não sejam claros. Eu nunca tinha gostado de um filme que não tivesse entendido, mas, neste caso, não deu para resistir. Do mais, o ator Laramie Eppler, que interpreta o filho mais novo do casal, parece um Brad Pitt poket.